O Perdão


O Perdão

 

 


“Nada encoraja tanto ao pecador como o perdão”.

Embora enterrar o passado geralmente traz paz para a alma, pode haver algumas exceções a esse conselho. Às vezes, você torna-se mais capacitado quando tem permissão para não perdoar. Logo, não se preocupe em perdoar, melhor, não perdoe nada. Apenas pratique o esquecimento.

Quando alguém te ofender, não uma ofensa corriqueira entre amigos e amantes, mas um avilte real, simplesmente “dê um foda-se” para a pessoa. Mas um “foda-se” real, do coração e da mente. O desprezo e a indiferença são os maiores castigos que se pode aplicar a alguém.

Jamais se vingue!!!

Não seja sensível a ofensas. Você vai ser ofendido e aviltado sempre. Ligue o “foda-se” e vá em frente... Jamais leve uma ofensa ao Poder Judiciário, no Brasil isso é ficção científica. Nada oriundo do Estado funciona.

Não leve os parentes a sério. Em geral não merecem. Limite-se a aniversários, casamentos e enterros. É melhor assim. E se algum deles de pedir dinheiro emprestado (mormente se estiver chorando!!!) mande-o utilizar-se do local de trabalho dos proctologistas.

Detalhe: não confunda parentes com familiares. São seres bem diferentes. Mas, se tiver que dar um “foda-se” para uma filha, um pai etc. Faça-o sem medo de errar.

Igualmente, e talvez mais importante, é aprender a reconhecer seus erros e perdoar a si mesmo. O auto perdão é muitas vezes o primeiro passo para um relacionamento mais amoroso e positivo com você e, portanto, com os outros. Como dito alhures, a culpa é como um saco de cimento, basta colocá-lo no chão e continuar a caminhada.

Comentários